GEN #1 pela Editora Abril – Não é só porque veio do Japão que é bom…

Hoje dei uma passada na banca e reparei na prateleira o novo “mangá” da Editora Abril, GEN. Não, não se trata de uma reedição do clássico GEN – Pés Descalços, mas sim uma antologia de “mangás alternativos japoneses”. Como sempre estou aberto a novas iniciativas no nosso mercado, comprei e li…

E me arrependi.

Gastei R$9,00 numa revista com 150 páginas de mangás de péssima qualidade, impressos num papel de péssima qualidade e com um trabalho de edição de péssima qualidade. Logo sentei no computador e comecei a preparar um post de avaliação como outro qualquer. Mas um pensamento não me saia da cabeça…

“O que leva uma editora grande como a Abril a publicar um mangá tão ruim quanto esse?”

E a resposta logo me veio a cabeça: porque vem do Japão. Simples assim.

Uma editora brasileira prefere gastar seu dinheiro em mangás de licença barata e qualidade péssima do que, por exemplo, incentivar um quadrinista nacional a publicar sua história. Sabem o que isso significa? Que ela acha que esse tipo de lixo japonês vai render mais dinheiro pra ela do que quadrinhos nacionais. Ela acha que os leitores vão optar comprar essa atrocidade em forma de mangá do que um produto nacional, mesmo que de melhor qualidade.

O público consumidor de mangás no Brasil é extremamente preconceituoso e nós sabemos disso. Uma galera pode até ouvir um K-POP, mas fala que o mangá “x” veio da Coréia que os mesmos já ficam com um pé atrás. Fale que é do Brasil então que o resultado será pior ainda.

E isso não é um fenômeno unicamente brasileiro, diga-se. É algo global. Até porque GEN é uma revista toda idealizada nos EUA.  É a ideia de que mangá TEM que ser japonês. Qualquer quadrinho publicado em preto e branco seguindo o denominado “estilo mangá” de arte que não for japonês não vale, é imitação, é de pior qualidade.

Eu mesmo já cheguei a ter esse tipo de preconceito. É algo que está tão incrustado no fandom que nem sentimos acontecer. Porém, dessa vez a Editora Abril atingiu níveis tão baixos que me deixou incomodado. Incomodado a ponto de vir aqui expor isso para vocês.

Longe de mim ser um “baba ovo” de qualquer coisa que é feita no Brasil. É certo que na grande maioria os mangás japoneses são superiores. Os caras fazem isso há muito tempo e tem um mercado interno forte que consome esses produtos e os incentiva a produzir cada vez mais. Mas existem coisas ruins por lá também. Não é por que um mangá vem do Japão que ele é bom. GEN é a prova viva disso.

Se era para voltar a publicar mangás, que fizesse direito. GEN é só uma tentativa cretina da Editora Abril de tentar tirar uma graninha se aproveitando da palavra “mangá”. Não se enganem e não gastem seu dinheiro com um material de tão péssima qualidade. E eu ainda achava que poderíamos ter algo legal vindo por aí. Triste ilusão.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Hoje dei uma passada na banca e reparei na prateleira […]