Uma breve percepção do sexo nos animes e mangás

Eu sempre achei curioso a forma como o sexo é tratado na grande maioria dos animes e mangás. Há dois aspectos bem interessantes sobre o assunto que eu gostaria de compartilhar brevemente com vocês.

O primeiro seria onde a maioria dos animes e mangás (que chegam até nós, seja por vias oficiais ou não oficiais) se encaixam: a de esquecer que o sexo existe.

Já repararam como em várias obras parece que os personagens simplesmente ignoram o lado sexual de suas vidas? Até mesmo quando demonstram interesse em alguma menina ou chegamos ao ponto de realmente vermos dois personagens namorando ou saindo juntos o sexo é completamente excluído. Chegamos a pontos em que personagens casados não tem um momento sequer de intimidade no decorrer de toda uma série.

E aqueles animes e mangás que exploram calcinhas, peitos, insinuações sexuais, mas nunca chegam nos finalmentes? Esse é o segundo aspecto. Fico pensando que se essas obras mostrassem de fato os personagens em atos sexuais seriam menos taxadas de “perversões” do que fazendo da maneira que fazem. Porque uma coisa é um fanservice aqui e ali, outra é fazer animes inteiros sobre isso como Queen’s Blade ou Manyuu Hikenchou. Já repararam como esses não tem sexo? Mas muito peito, bunda, calcinha, etc?

Talvez esse seja o motivo de conforme os leitores vão amadurecendo eles vão tendendo a desgostar mais e mais desse tipo de material e de animes e mangás mais voltados ao público infantil. Afinal, sexo faz parte da vida e esquecê-lo completamente soa como algo errado, não-natural. Daí a migração para títulos mais “adultos”, seinen e josei, que tratam o sexo de maneira mais “real”.

Para fechar esse breve post, uma coisa para pensarmos: em uma sociedade que reprime tanto a sexualidade feminina, é nas obras voltadas pra elas, shoujo e josei, que vemos o sexo ser tratado da forma mais natural e real.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Eu sempre achei curioso a forma como o sexo é […]