A trajetória de um fã de animes e mangás…

Há algum tempo eu me deparei com a seguinte pergunta feita ao @cnetoin pelo formspring:

Qual foi a sua trajetória no mundo animístico da internet? Por quais círculos você passou até chegar onde está hoje (sites, redes sociais, fóruns, blogues…)?

A resposta dele até que foi bem simples, mas a pergunta ficou ecoando na minha cabeça e eu fiquei pensando sobre minha própria trajetória no mundo animístico. Como tudo começou até onde eu estou agora. O resultado dessa recapitulação eu coloco nesse post.

De fato será um post bem pessoal, mas, como os outros do tipo, serve para incitar a discussão sobre o tema. Desse modo, ao final da leitura, se puderem, compartilhem um pouco das suas trajetórias no mundo animístico!

———————————————————————————————

Minha primeira memória consciente como fã de cultura pop remete aos meus 6-7 anos quando assisti Star Wars pela primeira vez. Minha mãe alugou o VHS e enquanto ela recebia umas amigas na sala eu fiquei vendo no quarto com a filha de uma das amigas. Foi tiro e queda. Me apaixonei. No dia seguinte, pedi para minha mãe alugar os outros dois filmes da série (só tinham os três originais naquela época) e assisti um atrás do outro. Nascia um nerd.

O próximo passo foi comprar meus primeiros gibis. Lembro até hoje o primeiro que fui comprar na banca sozinho, sem meu pai. Homem Aranha #196 da Editora Abril, primeira parte da Temporada de Caça. Desde então, estava iniciada a vertente quadrinhística da minha vida nerd.

A próxima vertente a ser despertada foi a do RPG. Foi quando tinha 9-10 anos em uma aula especial no colégio onde líamos e discutíamos histórias. Em uma das aulas, a professora contou a história de um grupo de meninos que jogava RPG. Eu e um grupo de amigos nos interessamos e ela emprestou pra gente material que o filho dela tinha de AD&D. Fico triste por hoje em dia não jogar mais tanto quanto gostaria, sempre me diverti jogando RPG.

Claro que além de todas essas vertentes que estavam sendo despertadas aos poucos, os games sempre se fizeram presentes. Dias e dias jogando, reuniões com os amigos nos finais de semana para uns multi-player… era tudo uma grande curtição.

Mas e os animes e mangás? Onde que eles entram?

Meu primeiro contato com animes foi com Cavaleiros do Zodíaco, como grande parte das pessoas na minha faixa etária. Depois tivemos YuYu Hakusho, Shurato e por aí vai… porém, não fui cria só da TV Manchete. Na época em que comecei a me interessar pelos desenhos japoneses, um amigo meu tinha um pai que morava em SP e trazia algumas fitas pra ele da Liberdade com os mais variados desenhos. Ele era aquele tipo de menino mimado cujos pais faziam tudo para agradá-lo. Apesar de não verem sentido em trazer um monte de fita em japonês pro filho ver, eles o faziam porque o moleque pedia.

Como eu falava bastante com ele, foram várias as vezes que assisti aos desenhos com ele. Em específico lembro da vez que vi meu primeiro anime de mecha, a série original de Gundam. Tinham pouquíssimos episódios no VHS e era tudo em japonês, mas eu estava encantado! Imaginem como foi anos depois para mim ver uma série Gundam (Wing) estreando no Cartoon Network… Desde aquela época meu interesse nos animes foi só crescendo e eu queria cada vez saber mais sobre esse universo.

Com mangás a coisa não foi tão hardcore desde o princípio. O primeiro que li foi Ranma 1/2 que na época era publicado pela editora Animangá. Nunca cheguei a completar a coleção, mas havia gostado bastante de ver o estilo que via nos desenhos agora em quadrinhos, uma mídia que sempre adorei.

Só fui realmente entrar no mundo dos mangás quando a Conrad trouxe Dragon Ball para o Brasil, em 1999, se não me falha a memória. Depois veio a Editora JBC com Samurai X e a Panini com o mangá de Gundam Wing (que apesar de ser um lixo e ter tido um tratamento muito porco, era de encher meus olhos de emoção). Com o lançamento de One Piece pela mesma Conrad alguns anos depois eu já estava fisgado pelos quadrinhos japoneses. A cada ano que se passava eles tomavam mais e mais espaço no meu interesse frente aos quadrinhos de super-herói.

O tempo passou e a internet se tornou uma realidade. Lembro até hoje como era legal desbravar com um amigo meu as redes P2P e descobrir animes em AVI que, para a época, representavam uma qualidade ESTUPIDAMENTE BOA! Nosso parâmetro eram os RMVBs toscos então algo em AVI era praticamente ir ao cinema. A primeira série que assisti em AVI foi Chobits, seguido de Noir

Nesses primórdios da internet, eu sempre me interessei em entrar em contato com outros fãs e participei de diversos sites como um de distribuição de animes, o Animes Forever (se não me engano esse era o nome), e outro específico sobre Pokémon, o Suicune’s Temple. Em ambos eu tive a oportunidade de conhecer e conversar com muita gente. Tempos mais simples aqueles.

Em 2003 eu conheci o fórum Multiverso [email protected] através de um amigo e apesar da má fama que ele tinha, dava pra ver que muitas pessoas ali sabiam bastante do que estavam falando. Tempo passou e estou lá até hoje.

Ao entrar no MBB, acabei levando meu hobby mais a sério, graças às discussões sobre os mais variados assuntos. Foi lá pra 2005 mais ou menos que os animes e mangás começaram a praticamente dominar minha vida nérdica. Eu queria explorar cada vez mais séries, tanto em anime quanto em mangá e saber mais sobre esse universo. Eu já estudava bastante sobre cultura japonesa geral (para uma criança), mas queria saber mais sobre essa cultura pop moderna de lá.

Desde então meu interesse nunca parou de crescer, só aumentou e aumentou. O resultado de tudo isso vocês estão lendo agora, o Anikenkai.

O Anikenkai é o meu projeto de maior satisfação até hoje. Eu sempre tive a ideia de ter um site/blog onde eu pudesse livremente falar sobre meus gostos e compartilhar ideias, opiniões e experiências com outros fãs de animes e mangás e, com isso, aprender cada vez mais. E eu consegui.

Graças ao Anikenkai, criei um network de pessoas interessadas na cultura pop não só como meio de entretenimento, mas como algo a mais, uma manifestação cultural, um pedaço da cultura japonesa, um foco de interesse.

Acho que posso parar minhas lembranças por aqui, chegamos no presente. Com certeza eu deixei muita coisa passar, mas isso aqui é um post, não uma auto-biografia. Espero que vocês tenham gostado de saber um pouco mais sobre minha trajetória até onde estou hoje.

E vocês? Como vocês chegaram até aqui? Como viraram fãs de animes e mangás?

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Há algum tempo eu me deparei com a seguinte pergunta […]

17 thoughts on “A trajetória de um fã de animes e mangás…”

  1. Comecei a me interessar por “desenho japonês” com cavaleiros do zodíaco. Apenas isso. Nesta época não acompanhei os outros desenhos da manchete e muito menos tinha alguém pra me mostrar algo em vhs e na minha cidadezinha o único quadrinho que eu podia acompanhar era turma da Mônica… O amor voltou quando começou a passar Sakura e Sailor Moon no Cartoon e quando acompanhei Holy Avenger… Mas o que realmente determinou tudo foi Inuyasha! Comecei a assistir o anime quando já morava no RJ e tinha acesso ao tal do “mangá”. Foi o meu primeiro mangá de muitos…

    Posts pessoais são legais Diogo! (y)

  2. Saudações

    Agora é que notei o quanto que minha resposta foi simples, nobre Diogo. Limitei-me apenas a traçar uma linha temporal pós-internet, deixando épocas saudosas para trás (de quando minha pessoa nem fazia imaginar que um dia teria internet em casa).

    Seu texto ficou muito interessante.

    Realmente, o VHS foi o verdadeiro salvador da pátria para muitos fãs de animes, desde o final dos anos 80 até o início dos anos 2000. Eu sou um exemplo disto, pois ainda possuo fitas VHS com episódios de Sailor Moon (1996, na Manchete), Shurato (1996, Manchete), Tenchi Muyo! (2001, Bandeirantes) e Card Captors Sakura (2001, Globo) guardados.

    Acho que tudo isto forma uma história que não deve “morrer”, muito pelo contrário: tal história deve permanecer viva para quem quiser saber e se deliciar com o modo no qual os fãs se viravam para ter acesso às suas tão desejadas animações japonesas.

    E primórdios de internet, para mim, sugerem de forma instintiva assistir animes no formato RMVB (sendo os primeiros: Onegai Twins, Chobits e Love Hina).

    Uma vez mais: ótimo post, nobre Diogo.

    Até mais!

    OBS: pensando em fazer algo similar, para breve, em meu humilde blog.

  3. Caramba, provavelmente vou ser o mais velho a postar aqui (meu relato vai denunciar isso), mas não me importo…
    Minha infância foi no tempo áureo de He-Man, Caverna do Dragão e Thundercats. O primeiro anime que lembro, muito remotamente, foi…ROBOTECH! Mais precisamente a parte correspondente a Macross (única a ser exibida no Brasil).
    Nos anos 90 não assistia muito a Manchete pois o sinal em casa do canal era ruim pra caraca! Pelo menos vi Dragon Ball, Fly e Rayearth pelo SBT. E no final da década tinha Pokémon.
    Mas minha paixão pela cultura japa começou mesmo na virada do milênio, e o marco zero se chama Samurai X. Foi um fascínio assistir o retalhador (mesmo o anime sendo retalhado pela Globo). Na mesma época saíram os mangás de Dragon Ball e CdZ, mas como não trabalhava ainda só fui comprar DB tempos depois.
    Meu primeiro mangá seria Digimon. SERIA, se a editora Abril não o cancelasse. Oficialmente meus primeiros títulos são Samurai X (óbvio) e um tal de Sakura Card Captors. Não conhecia muito antes, mas como lia a Anime>Do 2000, Herói e Anime EX já sabia que iria passar na Globo. Pronto, nascia um fã de carteirinha do CLAMP!
    E graças a Sakura criei o primeiro email da minha vida. Isso porque comprei via email o VHS do segundo filme da série no Shin Seiki Anime (fansub precursor na idade da internet lascada; hoje nem existe mais). Mas não cheguei a assistir, pois o DVD oficial saiu logo depois. Na época “download” não era palavra de ordem pra mim…
    Bom, poderia contar outras histórias, mas já me alonguei demais. Continuo colecionando mangás e comprando/baixando animes por aí. E sabem qual o último que estou baixando? Guerra das Galáxias, a segunda versão dublada de Macross, para refrescar minhas remotas memórias infantis…

  4. Hahahahaha!!
    Como a esmagadora maioria imagino, tudo começou com os tokusatsus tipo Jaspion, Kamen Rider, e vários outros, e na sequencia vinha os medalhões CDZ e YYH. Com o tempo outros mais apareciam e a minha paixão só aumentava. Saudosa manchete. Passei a comprar mangás na época de Holy Avenger, assim como jogar RPG (coisa que faço até hoje, não com a mesma frequencia que antes, mas me orgulho de dizer que ainda tenho algumas horinhas divertidas de jogo) mas antes disso eu já comprava aquelas revistinhas Animax (tenho várias até hoje, e é incrível como a qualidade delas supera a da Anime do por exemplo, e isso até hoje!).
    Esses dias estava pensando em como isso faz parte de todo um processo de globalização, digamos assim, o Brasil “entrou” no mundo, ou o mundo entrou no Brasil, depende do ponto de vista. Tudo ficou mais fácil, importação, viagens, idiomas, cultura (mais presente hoje do que antigamente), etc.. Nesse mesmo dia pensei que dificilmente existe hoje um otaku (que começou sua otakisse no Brasil) idoso, porque foi meio que de repente, foi um “Bang” e aí todo mundo comprava uns bonequinhos dourados que tiravam e colocavam as armaduras, e a molecada corria pela rua fingindo que eram power rangers, entre outras coisas.
    Enfim, sempre costumo dizer que os otakus (ou nerds) como for, se divertem muito mais.
    ^_________^

  5. Bom a minha começou com o tokusatsu que passavam na manchete, eu vi todos, mas naquela época ainda não tinha ocorrido a ligação eu ainda não era fã.

    Também nesse período que vi meu primeiro anime – um shoujo que passava no sbt chamado Honey Honey, na época eu nem fazia idéia que era um anime mas aquilo me chamou a atenção de uma forma que não imaginava, talvez pelo contraste que era em relação ao meu desenho favorito – G.I.Joe (aka Comandos em Ação) – tipo de um lado uma garota e seu gato e do outro “the army with the less oppressive dressing code” (citando robot chicken) – era engraçado era que eu, criança na época, ficava com o maior dó da Favo de Mel quando ela passava por algum problema (que em geral era banal, mas é que nada dava errado em gijoe dai choque) e queria que os GiJoe fizessem algo (era quase um fanfic mental)

    Depois veio outros animes – CDZ ect… mas foi com Sailor Moon que eu virei fã, não foi imeditamente, mas quando assisti novamente que deu o estalo – era bem o momento que havia começado a tentar desenhar mais a figura feminina e tentei desenhar elas. Fato é que virei fã total de Sailor Moon, ficava assistindo quando passava no CN de madrugada – quatro capitulos na corrida.

    Mais curioso sobre a série comecei a pesquisar e isso me levou a interessar de fato por anime, mangá e cultura japonesa – foi nesse período que lendo as colunas da Valéria Fernandes que descobrir que gosto mais de shoujo e quando comprei meu primeiro mangá – X-1999.

    A partir da ai o rumo foi mais menos – li e vi cada vez mais animes/mangas, comecei a ir em eventos ect… e assim foi e é hoje.

  6. Comecei assistindo tokusatsus..
    Depois veio CDZ e assim foi…

    Hoje sou mt critico aos animes/mangás de hoje..eu acho que a qualidade caiu ..

  7. Cara,vendo vc e outras pessoas mais velhas aqui,dá até uma certa invenja por vc’s serem da época da manchete,e não da época da TV globinho passando bakugan,mas a forma como eu comecei a assitir animes é um tanto quanto curioso,eu tinha um amigo no colégio que vivia falando de bleach ,enquanto eu só assitia naruto no SBT,enquando ele falava eu ficava vuando,sem enteder nada,mas de certo modo,interessado.
    Dai um dia eu estava com outro amigo meu,aqui em casa,que vivia me falando de Death Note,e nisso,eu estava com o notebook dele no colo,enquanto ele me falava do anime,lá estava eu lendo a sinopse na wiki,e fazendo algumas perguntas pra ele,como ele não conseguiu responder à todas,decidi descobrir as respostas por mim mesmo,e assim começou uma paixão.
    Meu primeiro mangá foi um naruto #46,e hj já estou com uma coleção razoável em relação ao pouco mais de dois anos que assito animes e leio mangás,
    Confesso que perto de muitos otakus que eu vejo por aqui eu ainda so só um “menino”,mas poxa,eu tenho 14 anos,vai saber como vai estar minha vida NERD quando eu tiver os meus 21 por aiii.

  8. Eu sou um Otaku um pouco mais recente (Nerd, acho que sempre fui um pouco) comecei com DVD’s salteados de Naruto, e quando eu finalmente percebi que eu poderia Baixar o Naruto que eu tanto gostava na internet eu fui imediatamente procurar e pesquisar mais, e foi daí que eu cheguei em Bleach, Anime que me encantou de cara e do qual eu sou Fan-boy Até hoje.

  9. Infelizmente eu sempre estudei na parte da manhã, que é quando a maior parte da grade infantil é exibida. Meu primeiro contato com animes foram Dragon Ball que eu companhava la Globo aos sábados, minha maior alegria eram as férias quando eu podia acompanhar a saga boo todo dia.

    Depois dessa época eu só acompanhei os animes que faziam sucesso na

    televisão, um dos melhores que eu me lembro bem era Tenchi Muyo que passava

    no canal 21.

    O marco para o meu início na cultura japonesa foi mesmo com Naruto no SBT,

    na época era ainda novidade e impulsionado por amigos fui levado à internet

    onde comecei à assistir episódios online, de Naruto para Bleach foi quase que instantaneo, assim eu fui descobrindo novos títulos ao longo do tempo, até encontrar Berserk, que me fez entrar de vez nos mangás.

    Atualmente devido ao tempo eu somente leio mangás, mas de vez em quando eu assisto algum episódio de Sunabozu, de longe o meu anime preferido (pena haverem tantos problemas na tradução do manga).

  10. É sempre bom lembrar da trajetória otaku 🙂
    Meu primeiro contato foi vendo Fly e Dragon Ball que vieram em pacote pelo SBT. Mas nesta época eu não tinha a menor ideia de que isso era anime. Pra mim era mais um desenhinho legal.
    Comecei a ser otaku mesmo quando no final de 2000 uma vizinnha me apresentou o mangá do Samurai X. Como já era nerd me interessei de imediato e comprei de cara (acho que era $2,90 na época). Depois disso economizava minhas moedas do lanche da escola todo o mês pra comprar este e mais alguns mangás.
    Essa mesma vizinha me emprestou o VHS do Samurai e foi aí que arrestei meu irmão mais novo pra mundo animístico também (mas acho que traumatizei um pouco ele com Kimi Ga Nozumo Eien e hoje ele só vê Naruto) .
    E foram as aventuras desse humilde servo em plena Era Meiji que me levaram a ter uma imensa curiosidade sobre a história e cultura japonesa. Até hoje leio tudo que encontro relacionado a isso.
    Logo em seguida foi a época do glorioso IRC, onde entrava em vários canais para baixar anime e conversar com a galera otaku.
    Fiquei depois, duante alguns anos, vendo muito pouco anime por falta de tempo, nunca cheguei a parar. Depois quando me mudei pra Buenos Aires voltei com tudo.
    Fui moderadora do forum e chat de um site de animes online. Comecei a fazer wallpapers e signs com temas de anime.
    Criei vergonha na cara depois de perder umas 20 vezes minhas cadernetas com os anime que quero ver e finalmente (este ano) criei uma conta no MAL. E tenho participado de 2 clubes lá e tô começando a escrever algumas reviews.
    É isso 🙂

  11. Eu costumava assistir power ranger might morphin na xuxa depois fiquei viciado em digimon, q até hoje é minha série preferida, tanto q levava bronca da professora por so desenhar essa duas séries.

    Quando aprendi a ler meu pai passou a comprar gibi para eu ler sendo q uma delas era o Dragon ball, q a principio ingnorei. depois de virar fã de animes pasei realmente a me interessar pelos mangas, lembro q foram slayers vol.1 e dragon ball z vol.51.

    Como o traço era algo comecei desenhar algo parecido lá pelos meus 10 anos, onde eu criei meus proprios personais, mas assim q tive contato de holy avenger, manga nacional q me fez querer sonhar em trabalhar com isso.

    agora q tó com 17 tem uma vasta coleção de mangas e meu traço evoluiu bastant(planejo criar um blog para mostrar meus mangas) e vou lutar para
    conseguir realizar meu sonho.

    Foi muito bom você contar sua história já gostamos da mesmas coisas, e quanto ao lance dos vhs eu sinto falta delas eu tinhas os episodios de digimon frontier gravado mas o aparelho estragou T-T

  12. Post muito bacana!!!

    Meu primeiro contato com essa parte da cultura pop japonesa foi graças a Rede Manchete com seus Jaspion, Winspector, CDZ, Yu yu Hakusho, Super Campeões, Shurato e assim vai…Só que eu era somente um pivetinho na época então nem me ligava em saber de onde eles eram, só queria me divertir vendo. O tempo passou, a nostalgia desses simples “programas infantis” sempre se mantiveram em minha memória mais só ficava nisso mesmo na nostalgia.

    Nisso quando eu já tinhas uns 11 anos veio minha paixão por DBZ( o primeiro mangá q tive por “culpa” do meu pai foi DBZ), Sakura Card Captors, Sailor Moon, Corrector Yui e Pokemom, graças aos bons tempos do CN que exibia esses animes durante as tardes. Não muito tempo levando para eu começar a gostar de outros animes como Digimom, Beyblade e Yu gi oh!. Só que não tardou muito para que nesse período meu pai acabasse tendo por tirar a tv a cabo de casa e com isso esses animes também só acabaram por virar memórias boas em minha mente e somente isso.

    Mas após outra passagem de tempo, eu já no ensino médio, acabei por conhecer os animes que me trariam de vez por esse mundo.

    Um dia após matar aula(já que estudava no período da manhã), cheguei cedo em casa e decidi ligar a tv pra ver desenhos no SBT. Nisso eu acabei por sem querer ver um desenho chamado Naruto e que me encantou rapidamente. No outro dia, comentei com uns colegas sobre esse desenho e um dos meus amigos me falou que baixava ele pela internet e então eu prontamente o pedi para gravar alguns episódios para mim, para que eu pudesse assistir(na época eu tinha acabado de ganhar o pc e por isso ainda não tinha internet) e ele foi e me emprestou no dia seguinte, só que sem querer ele enviou tbém um CD com 2 episódios de algo chamado Hellsing e eu, por curiosidade, resolvi assistir, acabando por gostar muito do que vi ali.

    Após gostar de Hellsing e começar a utilizar net discada aqui em casa, comecei a procurar mais sobre animes e tal…Até que acabei por descobrir nessa minha busca Elfen Lied(meu primeiro anime Seinen), Gankutsuou e que um amigo de infância havia começado a assistir animes tbém. Esse meu amigo acabou por me emprestar um tal de Death Note e o resultado foi mais que óbvio: Após assistir esses 3 últimos animes que citei, percebi que embarcar nesse hobby não seria algo tão ruim e aqui estou, ainda mais fascinado do que nunca por esse maravilhoso mundo que são os animes/mangás.

  13. pow, diferente de muitos, comecei a assistir animes aos aos 14/15 anos, comecei com naruto no sbt, ai como gostei da série, ficava vendo os videos no youtube, mas nada sério, ai quando eu peguei a minha net, meu amigo me apresento o site “animalog” como ele era fã de naruto shippuden, ele me pediu para ver uns epis, mas nem dei tanta bola assim e fiquei vendo avatar dublado no animalog, ai passei a me interessar por animes legendados, ai que começei a ver naruto shippuden, online no videolog, assistir até os lançamentos, ai comecei a ficar sintonizado com os lançamentos, ai passei para o One piece que foi o primeiro anime que assistir legendado, depois ai que veio naruto, ai passei para bleach, animes românticos, ecchi, comédia, e comecei a ler mangá do genero Yuri e uns animes também, sou um Otaku novo, não tenho tanta experiencia como os demais, mas já vi muuuitos animes e mangás na minha vidinha, tenho apenas 17 anos. espero poder assistir animes e ler mangás por muuuuito tempo, nunca irei abandonar esse hobby(Vicio). gostei da sua auto-bi-biografia, me fez lembrar do antigo eu.

  14. Falando sério, acho que eu sou diferente de todo mundo aqui. Eu comecei vendo Sakura Card Captors, depois via alguns animes na TV e nem lembro quais, nem dava bola, eu só gostava de SCC mesmo… Eu devia ter uns 3 anos, rs… Depois, quando vi algumas coisas na internet, fui ver Inuyasha e adoreei, apesar de que hoje eu não gosto tanto assim. O que eu vi em 3º lugar foi Yu Yu Hakusho, não lembro do segundo, depois acho que passei pra Death Note, D.Gray Man, DN Angel e aí vai. Até hoje procuro e vejo animes na internet, e gosto muito ^^

  15. Adorei esse site! Parabéns!

    Eu comecei a me interessar por desenho japonês desde novinho, mas peguei muito gosto pela coisa depois que passei a frequentar a casa da minha prima que é professora de mangá. Hoje sou apaixonado por esses desenhos, que eu não sei de onde os autores tiram tanta imaginação pra criar rsrsrs

    Se vocês se interessarem, esse anime abaixo é muito bom!!! Abraços!

    http://n-bodycares.blogspot.com.br/search/label/Lucas%20Oliveira

  16. Cara você tem mesmo Sailor Moon da Manchete e Sakura Card Captors da Globo em VHS? Em boa qualidade?!! Sério, digitaliza e compartilha essas maravilhas por favor ^^ Os fãs vão te agradecer imensamente! Até hoje procuro VHS’s com gravações da Globo de Sakura Card Captors, pena que não encontrei nenhuma com a abertura da Globo 🙁 Você fará um imenso favor se compartilhar 😀
    Ah e indo no assunto, conheci Love Hina no velho e bom bloco de animes da Cartoon o Toonami, assistia toda madrugada xD Depois passou na Play TV junto com Ranma Meio só que 1h antes kk xDD Saudades de quanto a Play TV era aberta, e mais saudades ainda dos bons animes na TV Aberta..

Deixe um comentário!