Conhecendo a Blogsfera 001: Denys Almeida (Gyabbo)

É muito comum, principalmente no Twitter e afins, leitores quererem conhecer e saber um pouco mais dos blogueiros por trás dos posts que lemos todos os dias. Pensando nisso, decidi “fazer umas ligações” e trazer para vocês uma entrevista com cada blogueiro que eu conseguir falar! O objetivo dessa nova coluna “Conhecendo a Blogsfera” é trazer um pouco mais de informação aos leitores. Dessa forma vocês poderão saber como foi o processo de criação dos blogs, como eles estão agora, o que os autores acham da situação atual e um monte de outras informações com as quais eu pretendo encher cada um desses posts.

Conto com a colaboração dos leitores e, principalmente dos blogueiros nesse especial!

Sendo assim, o primeiro blogueiro entrevistado foi o meu querido amiche Denys Almeida, autor do Gyabbo!. Vamos nessa…

Anikenkai: Olá, Denys, é um prazer ter você como primeiro entrevistado desse novo projeto do Anikenkai.

Denys: Olá Did, o prazer é meu por podermos fazer mais essa parceria e participar de mais um novo projeto que surge no blog.

A: Como a idéia desse projeto é fazer os nossos leitores conhecerem mais as pessoas que estão por trás dos posts, vamos lá. Me diga um pouco sobre você.

D: Sem problemas. Meu nome é Denys Almeida, vivo em Manaus no Amazonas desde que nasci e de lá já são 23 anos. Sou finalista do curso de Psicologia na federal aqui do estado e, como é fácil de perceber, tenho como principal hobby os animes, mangas e a blogagem sobre esses temas. Fora desse espaço gosto bastante de cinema, com algumas pretensões de enveredar por esse lado depois de terminar a faculdade, pelo menos como amador e de literatura, especialmente de escrever, outro sonho que carrego e que pretendo levar depois dessa fase da faculdade.

A: Alguns desses outros hobbies chegam a ficar pau a pau com seu gosto por Animes e Mangás?

D: Pra ser sincero, encarar os animes e mangás como hobby, no sentido de gastar um belo tempo não só consumindo mas procurando conhecer cada vez mais sobre eles é algo recente, de uns três anos pra cá. Antes desse período, meus hobbies eram bem dispersos, seja cinema, literatura ou outros (como RPG, prática de Kung Fu, tênis de mesa e outros esportes). Também, quando eu estava no ensino médio, no pouco tempo que eu tinha além dos estudos para os vestibulares, gostava muito de escrever pequenos textos, capítulos iniciais, poesias, algo que acabei deixando de lado com o tempo, mas que pretendo retornar. Da mesma forma aconteceu com os esportes.

A: Gostar bastante de conhecer mais sobre animes e mangás e gostar de escrever. Parece que o Gyabbo! estava predestinado a ser criado. Era só questão de tempo. Mas de onde surgiu realmente a ideia? Conte-nos um pouco sobre os dias que antecederam à criação do Gyabbo!.

D: Sim, acabou que meu gosto por animes e pela escrita casaram perfeitamente e felizmente resultaram em algo que depois de três anos no ar vem se mostrando bastante positivo. Por mais que não seja uma literatura mais culta, é muito bom saber que milhares de pessoas me lêem e são influenciadas, de uma forma ou de outra, por coisas escritas por mim.

 Para falar da criação do Gyabbo! é complicado se limitar a apenas alguns dias, existe todo um contexto pessoal e social por trás. A questão é que morando em Manaus eu conhecia poucas pessoas que tinham um gosto pelos animes e mangas crescente como o meu. Nos eventos as pessoas que encontravam normalmente se limitavam a determinadas obras, normalmente as mais pops e/ou clássicas, sem buscar conhecer mais sobre essas mídias e suas novidades. Além disso, os amigos que eu tinha que também gostavam de animes e mangas acabaram com o tempo deixando isso de lado e por isso eu me usava da internet para conversar com outros fãs. Foi lá por 2004 que comecei a entrar nos fóruns. Mas mesmo neles o espaço parecia diminuir cada vez mais. Já perto de 2009 comecei a olhar com mais interesse para os blogs de animes, principalmente pelo trabalho que fazia o Leo Kusanagi no blog Mithril e, curiosamente, no que você fazia com o blog Nerdy Power, além de algumas coisas internacionais. Eu percebi, principalmente com esses dois exemplos, que aquele era o modelo que eu gostaria de seguir. Ter um blog me possibilitaria não só escrever com mais liberdade do que em um fórum/comunidade, mas entrar em contato com fãs, com pessoas que estão interessadas em trocar ideias, discussões, debater e se divertir.

 Lembro que no final de 2008 eu estava com a ideia fixa na ideia de abrir um blog. Já havia tido outros blogs, mas de cunho pessoal e que não deram em nada, por isso existia um certo temor. Fui conversando com uma grande amiga que entendia melhor dessas coisas, a Janaína Esmeraldo, e quando já tinha tudo pronto na mente não houve excitação. Rapidamente fiz o cadastro e no mesmo dia o primeiro post do Gyabbo! estava no ar.

A verdade é que os dias que antecederam o começo do Gyabbo! foram de grande ansiedade por eu saber que era Aquilo que eu queria fazer. Sabe aquela sensação de que você achou algo para você? Então, era isso que eu sentia e foi muito recompensador começar, por isso até a pressa. Mesmo com as poucas visitas no começo, ter colocado aquela ideia no papel já era muito bom.

A: Eu já disse pra você que fico muito feliz de ter sido um dos motores para o Gyabbo ter sido criado, mesmo que involuntariamente. Hoje, 3 anos depois, com centenas de posts no currículo, você acha que conseguiu atingir aquele objetivo inicial de entrar em contato com fãs que buscavam um algo a mais além do simples entretenimento?

D: São as curiosidades da vida. Acredito sim, mas vou exemplificar com uma história curiosa que envolve nós dois. Como citei anteriormente eu já fiz parte de alguns fóruns, dentre eles o saudoso “Sugoi” de onde o próprio Leo Kusanagi do Mithril participou. Em uma época dessas, lembro que você, participante do fórum Multiverso [email protected] (MBB), ao ter contato com o Sugoi a partir de uma amiga em comum nossa, desdenhou do fórum, especialmente da sua parte sobre animes e mangas. Acho que não comentei isso com você antes, mas naquele momento eu aproveitei para fazer comentários não muito lisonjeiros a sua pessoa. Mas veja só como é a vida, três anos depois, estamos aqui tendo essa conversa, de um fã para outro fã.

 A verdade é que durante esse tempo todo eu já ouvi muitas vezes que os fãs gerais não estão interessados em opiniões ou leituras sobre os animes. Mas há cada ano que passa eu tenho mais certeza que isso está errado. Mais e mais pessoas querem conhecer mais, querem conversar mais, querem discutir mais sobre animes e mangas, é só ver o grande crescimento no número de blogueiros nessa área, muitos de grande qualidade. Não vou medir a importância do Gyabbo! nessa questão, mas eu estava lá, não exatamente no começo, mas perto disso, e pude ver que sim, o objetivo de alcançar pessoas que queriam ir além de simplesmente baixar e ver o episódio do seu anime foi atingido. Hoje fico muito feliz quando vejo as respostas ao Censo que estou realizando no blog com comentários do tipo “Comecei a me interessar mais por animes e mangas por causa do seu blog!” ou “Só não deixei de lado os animes e mangas por causa do seu blog!”. São coisas que mostram que eu consegui, mas também que ainda é possível avançar mais dentro dessa proposta.

A: Sem dúvida nenhuma o número de blogs ativos sobre animes e mangás no Brasil nunca foi tão grande como hoje em dia. Mais que isso, a qualidade geral dos blogs está muito boa. Vou jogar você contra a parede um pouquinho e perguntar quais os blogs de animes e mangás que você mais acessa e por quê?

D: Essa é uma pergunta complicada… Um dia desses eu respondi algo parecido no meu Formspring e coloquei que o que me faz ler não está tanto no blog, mas no post em si. Mas não vou ficar em cima do muro. Apesar de eu ter a grande maioria dos blogs médios-grandes no meu reader de feeds, posso dizer que existem três blogs que eu costumo consumir todos os textos feitos: O primeiro é o Nahel Argama do @Qwerty_Br. Desde os tempos dele do Subete Animes eu já vinha dando uma atenção maior aos posts dele, mas com a sua saída e posterior criação de um espaço próprio ficou melhor. A primeira questão é que ele escreve bem (apesar de alguns exageros no uso das vírgulas e chaves) e consegue construir um texto coeso e que fala aquilo que se propõe a falar. Em segundo está o vasto conhecimento que ele tem sobre animes (especialmente, não vejo ele como referência quando estamos falando de mangas) e isso acaba se refletindo em textos com conteúdo e que conseguem ter uma visão mais geral dos animes do que outros blogs. E por último o fato de eu ver nos textos dele, assim como do próximo blog que irei citar, uma… como posso dizer… uma aproximação com o meu próprio estilo. Temos ideias e gostos muitas vezes bem diferentes, mas consigo estabelecer com a maioria dos textos do Nahel Argama um respeito, ainda que eu esteja discordando completamente do que está sendo escrito.

 O outro blog que leio tudo é justamente o Anikenkai, mas para não parecer que estou simplesmente puxando saco, deixa eu explicar. O primeiro fator que destaca o Anikenkai dos outros blogs é sua proposta de fazer uma meta-análise. É claro como você se coloca, se identifica e se vê como fã, mas também é claro a sua vontade de “tirar uma foto” daquilo e analisa-la com uma lupa. Os posts de comportamento, como você próprio classifica, distinguem com qualidade o MBB Anikenkai. Como comentei anteriormente, é outro blog com que eu consigo estabelecer um respeito para com o texto, mesmo que eu não veja daquela forma. Por último, poderia citar a busca de “diversificação-reduzida”. Ok, estou criando termos aqui. O que eu quero dizer é que é interessante e estou sempre esperando pela próxima ideia que irá surgir no Anikenkai, seja o Editoral, sejam essas entrevistas. Mas dentro dessa diversificação existe uma padrão que caracteriza o blog e que dificilmente irá mudar bruscamente como em outros espaços.

 Por último, já saindo um pouco dos blogs e falando de vlogs, temos o Video Quest. Só que aqui eu preciso deixar clara a diferença: vejo tudo que o Video Quest faz na sua parte de vídeos sobre animes/mangas, não exatamente o blog todo. Nesses vídeos, nos VQ’s “clássicos” eu encontro uma fórmula que me agrada muito de ter acesso à conteúdo, discussão e informação sobre animes e mangas em formato de vídeo, algo tão pouco explorado no Brasil e muito bem explorado por eles.

 É claro que estou sempre acessando os outros blogs, mas no caso dos outros eu nem sempre leio tudo, deixando para apenas as coisas que realmente me interessam ou instigam, como o próprio resto do Video Quest com seus posts em texto e o Cine Quest. A pergunta era complicada, poderia citar pontos positivos de diversos blogs, mas não vamos ficar em cima do muro e responder logo.

A: Além de matar a curiosidade dos leitores, fiz essa pergunta pois recentemente tenho tido trabalho para conseguir acompanhar blogs alheios. Eu sei que é difícil acreditar, mas blogueiros também tem uma vida fora de seus blogs e no tempo livre tem que fazer um bom trabalho para seus leitores. O tempo que sobra para ler o conteúdo de todos os outros blogs é muito curto.

Eu sei como é isso. Muitas vezes eu vejo um post no Google Reader que eu quero ler, mas não estou com tempo e deixo ele como não lido. Os dias vão passando, outros posts interessantes vão se acumulando até finalmente conseguir um tempo pra atualizar na leitura.

 Isso é uma pena, mas faz parte do processo natural de amadurecimento das blogosfera de animes e mangas brasileiras, é melhor saber que tem muito conteúdo bom que o tempo não me permite ler do que não ter esse conteúdo de qualidade para ler mesmo se tivesse tempo.

Com faculdade, namorada, busca de emprego e tantas outras obrigações, se formos ler tudo que sai além de não ter blog, não tem vida. Não dá mesmo.

A: Vamos falar um pouco sobre os nossos leitores. Eu já tive o prazer de conhecer leitores do Anikenkai e ouvir suas opiniões, mas queria saber de você. Alguma história engraçada ou curiosa com algum leitor?

D: Infelizmente são raras, até porque a maior parte dos meus leitores são das outras regiões do país, na verdade o menor número de leitores vem aqui do Norte (isso já contando com as pessoas do Pará, Roraima, Acre etc). Mas uma situação que pode-se considerar engraçada foi quando estava cobrindo um evento daqui e um leitor do blog chegou com um amigo que eu já conhecia e falou “Mas eu achava que ele era gordo e gay”. Foi algo bem cômico na hora, principalmente por eu ter uma foto minha no blog que mostraria que não sou gordo. Outra coisa curiosa é que no começo do Twitter acontecia muito dos leitores, principalmente garotas, virem, todas empolgadas, falar comigo, achando que @Gyabbo era o blog de uma garota. Nada que uma explicação rápida não resolva.

O que é meio constrangedor (não exatamente no sentido ruim da palavra) mesmo é quando alguém demonstra uma empolgação exarcebada por estar falando comigo por eu ser do Gyabbo!. Acho muito estranho. Já cheguei a ouvir “Mas foi O Gyabbo! que falou, então tu quer discutir?”. Primeiro que eu não acho que eu tenha esse status todo, segundo que a última coisa que eu gostaria é que as pessoas vessem meus textos como palavra final quando o que eu mais quero é que vejam como a palavra do meio, aquela que vai criar uma vontade de conhecer/debater.

A: Esse é um ponto interessante. Muitos colocam blogueiros num status acima do “fã normal”. Algo como uma autoridade no assunto ou, até certos pontos, como uma celebridade. Acha que esses “títulos” são exagerados e sem razão de ser ou crê que existem sim alguns blogueiros que são certos tipos de autoridades em determinados assuntos?

D: Tem gente sim que eu poderia dizer que são “autoridades” em alguns assuntos. Tive a felicidade de ver uma palestra da Valéria Fernandes sobre a história do shoujo manga e acompanhando ela e o blog dela é impossível dizer que ela não entende muito do assunto e que podemos nos referir a ela dessa maneira. Mas são poucos, pouquíssimos, na maioria dos casos poderíamos falar de “autoridades” em algumas coisas. Por exemplo, o Leo Kusanagi. Ele é uma “autoridade” para falar de Nana Mizuki, mas não deve ser uma para falar de toda J-Music. A maioria das pessoas no Brasil, sejam blogueiros ou leitores, são apenas consumidores, não estudiosos de animes e mangas. É claro que com o tempo e com maior experiência você acaba sabendo um pouco mais que a maioria e é isso que acontece com a maioria dos blogueiros. Justamente por termos que entrar em contato com mais coisas e nas suas formas mais diversificadas para apresentar conteúdo bom para o leitor, acabamos conhecendo mais. Porém, daí para ser uma “autoridade” é um pulo muito grande.

 Já ser uma “celebridade” no meio não é tão difícil de se pensar. É só vermos que pessoas reconhecem e às vezes param o Leo Kitsune e o Fábio Urso no meio da rua por verem os vídeos deles. É em um nível completamente diferente das celebridades das mídias mais populares, mas são sim celebridades dentro desse meio.

A: Infelizmente nosso bate-papo está chegando ao fim. Mas antes de terminar, vamos a um bate-bola rápido.

Mangá(s) favoritos

Gunnm, Dragon Ball, Sunadokei

Anime(s) favoritos

Dragon Ball Kai, Medabots, Beck, Haruhi Suzumiya (Primeira versão da TV), Ouran Host Club

Animes antigos

Se conseguir deixar de lado a estranheza com a questão estética da animação e traços, pode-se encontrar muitas pérolas, mesmo fora daqueles que todos já dizem que é bom.

JBC

Empresa com altíssimo potencial disperdiçado, mas que caminha pelo lado errado aparentemente pelo ego de uma pessoa.

Panini

Outra empresa com altíssimo potencial disperdiçado, apesar de alcançar resultados melhores que o da JBC, mas nesse caso por falta de empreendedorismo dos verdadeiros chefes da mesma. No dia que manga for prioridade para a Panini Brasileira, não terá para nenhuma outra.

Panino Manino

Gente boa e muitas vezes injustiçado por muita gente. Tem seus problemas, mas é uma pessoa de quem espero muito mais coisas boas do que ruins.

Chuva de Nanquim

Inveja define. A minha inveja deles. Conseguiram unir qualidade com quantidade e um senso de oportunidade único. Não é o maior blog de animes e mangas do Brasil por acaso. Mesmo sabendo que meu foco é outro, ainda fica um ponta de inveja, ainda que torça e muito pelo sucesso deles.

Darth Vader

“Vilão” legal, mas overrated.

Um mangaká

Akira Toriyama

A: Obrigado, Denys, por ter topado essa entrevista. Por fim, deixe uma mensagem para nossos leitores e colegas blogueiros.

D: Bem, gostaria de agradecer por ter sido escolhido como primeiro nessa nova proposta do Anikenkai. Em alguns momentos me alonguei um pouco, mas busquei ser sincero nessa entrevista. Acredito que a mensagem tanto para os leitores quanto para os blogueiros é a mesma. Se vocês gostam do que fazem, do seu hobbie, invista nele, vá atrás do que está por atrás, cresça dentro desse meio, seja conhecendo melhor a arte da animação e quadrinização japonesa ou falando sobre ela. Não se preocupe, isso não vai acabar com sua diversão, ter uma visão crítica só vai fazer você ver as coisas com outros olhos, muitas vezes achando algo mais interessante do que o esperado.

 E que esses projetos que unem os blogueiros continuem surgindo, essa sempre foi um tecla que eu bati. Se você for blogueiro ou fã de um blog, não fique pensando em diminuir o outro, na verdade ajude-o a crescer. É com o crescimento de um que todos crescem juntos.

 Até outra oportunidade.

 Denys Almeida – Blog Gyabbo!

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

É muito comum, principalmente no Twitter e afins, leitores quererem […]

6 thoughts on “Conhecendo a Blogsfera 001: Denys Almeida (Gyabbo)”

  1. Muito boa a entrevista, começou em alto nível entrevistando o sempre simpático Denys.

    Legal ver a motivação por trás do surgimento de um blog tão bacana quanto o Gyabbo!

    Parabéns!

  2. Muito boa a entrevista, ótima maneira de fazer nós, leitores ou blogueiros, sabermos mais dos bastidores dessa “gente estranha que fala sobre anime e mangá” rs…
    Vida longa [e prospera] ao projeto!

    Ps:
    “Panino Manino
    […]Tem seus problemas, […]”

    Eu ri :p

  3. Para falar a verdade eu nunca vi um bloguero como um idolo e achei ate interessante a abordagem desse tema na entrevista fico muito manero,o que eu acho que um bloguero so está expressando sua opinião e devemos respeitar e a partir disso criarmos nossa própia opinião.

  4. Pingback: Desafio dos Onze |

Deixe um comentário!