O fim do “moe” não está tão próximo assim…

Eu já cansei de ouvir pessoas me dizendo que o moe está com os dias contatos, que já não dá mais a mesma audiência de antigamente, que não é só um anime ter temática moe que vai vender, etc. Apesar de algumas dessas coisas serem verdade, eu não posso afirmar que o fim do moe está próximo.

Antes de continuar, é valido pontuar o que é o moe que tanta gente já ouviu falar, e até usa, mas poucos sabem qual é a real ideia por trás. A palavra moe é usada nos animes e mangás quando queremos destacar algo que é precioso para nós e que nos gera uma vontade de proteger e de cuidar. Algo quase paterno ou como uma relação de irmão mais velho. Normalmente moe é usado para descrever um ideal de jovialidade e inocência feminina, mas há quem use moe para tratar de animais ou objetos bonitinhos também. Exemplos de personagens moe seriam Mikuru (Suzumiya Haruhi), Riku (DNAngel), Sakura (Sakura Card Captors) e todas as personagens de K-ON.

Dito isso, volto ao ponto onde afirmei que não posso dizer que o moe está no fim… Aconteceu hoje a final do campeonato Saimoe que todo ano elege a personagem mais moe dos animes. A vencedora de 2010 foi a guitarrista de maria-chiquinha, Azusa Nakano, de K-ON. A quantidade de sites que deram importância à essa final foi justamente o que me motivou a escrever esse post .

Em cada site que eu visitava, pelo menos uma nota tinha a respeito da final do Saimoe. O que isso mostra? Que ainda há público interessado em moe a ponto de acompanhar um campeonato realizado por um fórum japonês cujo foco é justamente isso. Enquanto o Saimoe viver, o moe nunca estará com os dias contados.

Agora, se você me perguntar se eu sou a favor dessa moetização dos animes hoje em dia, eu diria que não. Porque o problema não é o uso do moe. A ideia do moe existe há bastante tempo e é explorada pelos animes desde então. Há quem diga que a primeira personagem moe dos animes tenha sido Lum Invader de Urusei Yatsura, cujo mangá é de 78 e o anime de 81. O problema atual é a própria qualidade dos animes e de suas histórias.

As produtoras se iludiram achando que poderiam fazer qualquer porcaria que se tivesse uma personagem bonitinha venderiam horrores. Isso pode ter funcionado no início, mas era claro que não era durável. Porém, ao que parece, eles ainda não perceberam e continuam investindo mais em personagens com feições arredondadas e fofas que com uma boa história.

Não culpem o moe no lugar da incompetência de autores e produtores de mangás e animes.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Eu já cansei de ouvir pessoas me dizendo que o […]