Uma conversa entre Takehiko Inoue e Eiichiro Oda – Parte 1 de 6

Uma das coisas que mais gosto de fazer é ler entrevistas com autores de mangá, diretores de anime, etc. Existem coisas que você só consegue saber e conhecer através dessas entrevistas. Porém, nosso acesso a esse tipo de material é restrito e fica ainda mais restrito quando você não sabe japonês. Dependemos da boa vontade de pessoas em traduzir e disponibilizar para nós esse material.

Estou acompanhando um excelente projeto do blog The Eastern Edge onde o autor do blog decidiu traduzir e divulgar esse tipo de entrevistas. Conveniente, não? Porém, conforme sabemos, nem todo mundo sabe inglês. Por isso, entrei em contato com ele e formamos uma parceria na qual eu iria traduzir o material publicado no blog dele para o português. Sem mais enrolação, vamos ao que interessa.

Essa primeira entrevista não é bem uma entrevista formal. É uma conversa descontraída entre Takehiko Inoue, autor de Vagabond, e Eiichiro Oda, autor de One Piece. Ambos ainda são jovens autores, mas seus trabalhos já são reconhecidos mundo a fora. Curiosamente os dois nasceram na cidade de Kumamoto, mas nunca tiveram a oportunidade de conversar pessoalmente. Confira agora a primeira parte dessa conversa que aconteceu em 2009 durante uma exibição de mangás na cidade de Kumamoto e foi publicada nessa revista…

Inoue: Essa é a primeira vez que nos encontramos, não é?

Oda: Bem, na verdade há algum tempo atrás eu consegui um autógrafo seu.

Inoue: Sério?! Quando?

Oda: Foi na festa da entrega dos prêmios Tezuka/Akazuka da Shueisha. Eu tinha acabado de ter sido publicado e estava muito nervoso. Você também desenhou uma ilustração do Hanamichi Sakuragi  (Slam Dunk) com um topetão que eu ainda tenho guardada.

Inoue: Sério mesmo? Desculpe, eu não me lembro. (risos)

Oda: Sem problemas. Aquela festa foi como uma enorme sessão de autógrafos para os grandes autores. (risos)

Inoue: Eu estava em Los Angeles quando One Piece estreou e eu recebia Shonen Jumps vindas do Japão. Quando eu li o primeiro capítulo de One Piece, eu me lembro de ter pensado, “Nossa, esse é o começo de um mangá muito bom.” Aquilo era um trabalho imperdível. Eu não me sentia assim com um mangá fazia muito tempo então eu fiz questão de acompanhar.

Oda: Quando One Piece começou a ser serializado, eu li uma pesquisa em uma revista perguntando a pessoas famosas que mangas os interessavam. Naquela pesquisa você escolheu One Piece e comentou, “O autor realmente acredita em seu trabalho”. Eu quase que literalmente pulei de alegria, eu tinha ficado muito feliz. Eu mantive uma cópia daquela página pregada na minha mesa de trabalho por muito tempo.

Inoue: Eu fico feliz que você tenha ficado feliz! (risos)

Oda: Posso falar sobre uma coisa que tá meio ligada ao destino?

Inoue: O que é? Você está me deixando nervoso.

Oda: Bem, eu nasci em Kumamoto e lá tinha uma loja chamada “Antique House”, certo?

Inoue: Sim, a loja de roupas usadas, não é? Isso me traz lembranças.

Oda: Eu costumava ir lá regularmente com amigos para comprar roupas. Por volta da época em que eu ganhei o prêmio de Melhor Artista Novato da (Shonen) Jump e tinha acabado de conseguir um editor, eu estava falando com uma das pessoas que trabalhavam na loja e eu mencionei que eu queria ser um autor de mangás. Ele respondeu, “Se você ficar realmente famoso, será o segundo nascido aqui.” “Quem foi o primeiro?” eu perguntei. “Takehiko Nariai (Takehiko Inoue é um pseudônimo). Ele costumava trabalhar aqui.” Eu não conseguia acreditar.

Inoue: Hahaha! Eu me pergunto com quem você falou.

Oda: Ele se orgulhava de dizer que um dos jogadores de Slam Dunk era baseado nele (risos). Ele também disse que quando a loja não estava cheia, você com certeza estaria atrás da caixa registradora desenhando.

Inoue: É… e não fazendo o trabalho que eu devia estar fazendo.

Oda: Eu fui surpreendido. Eu estava tipo, Caramba! Inoue-sensei esteve aqui! Era só uma loja que eu freqüentava e eu nunca havia pensado antes a respeito daquilo. Eu senti que aquilo tinha algo a ver com destino e eu pedi para o meu editor para por favor me colocar de assistente no seu estúdio. Porém ele simplesmente me disse “Não há vagas.” Aquilo me deixou bem pra baixo.

Inoue: Sério? A gente realmente fez uma cagada. Deveríamos ter trazido você como assistente. (risos)

Oda: Se eu tivesse sido aceito no seu estúdio, isso teria mudado completamente meu destino. Em vários sentidos, aquele foi um momento de mudança pra mim. Eu sempre pensei que eu gostaria de falar com você pessoalmente sobre isso algum dia.

Inoue: Obrigado. Vou lembrar disso.

**********************************************

Segundo o tradutor original, a 2ª parte será bem maior e trará um foco maior na obra Vagabond. Assim que ele publicar, faço a tradução e trago para vocês.

Espero que tenham gostado e não deixem de comentar e divulgar esse tipo de material.

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Uma das coisas que mais gosto de fazer é ler […]