O desenvolvimento de Kanji Sasahara

Depois do post inicial sobre Genshiken, achei que seria legal começar uma sequência de análises de alguns dos principais personagens. A idéia me veio à cabeça pois vi que, através do estudo, se é que posso chamar assim, em cima desses personagens os leitores poderiam fazer uma análise de si mesmos e de sua relação com seu hobby.

Kanji Sasahara, antes de entrar na universidade, vivia longe dos grandes centros do Japão. Seu acesso a animes, mangás e otakuzices em geral era limitado. Ele nunca havia visitado Tóquio, tido um computador próprio ou comprado um dojinshi. Quanto a sua relação com outros otakus, apesar do mangá não deixar claro, há a idéia de que ele era isolado em seu hobby e não compartilhava seus gostos com seus colegas. Esse pode ter sido um dos motivos de Sasahara ter se tornado um garoto muito reservado e calado.

Quando entra na faculdade e visita a Feira de Clubes (onde os clubes da universidade se apresentam para os calouros), Sasahara hesita bastante antes de dar uma olhada no Genshiken e, mesmo depois de visitar o estande do clube, demora algumas semanas para efetivamente visitar a sala do grupo. Tal atitude só mostra como o personagem era inseguro com relação a si mesmo.

No decorrer da série, no entanto, após começar a frequentar o Genshiken, Sasahara passa a ficar mais confiante e se aceitar como otaku. Porém, a mudança não ocorre de imediato, ela é gradual e a cada capítulo podemos observar seu desenvolvimento. Em pontos como esse que percebemos a excepcional competência narrativa de Kio Shimoku (autor de Genshiken).

No início de sua convivência com os outros membros, ele sempre se via em situações que tinha que optar ou por continuar calado e fechado  ou por aproveitar as oportunidades do momento. Essas constantes indagações começaram a fazer com que ele percebesse que não precisava se esconder dos outros pois eles não passavam de otakus como ele. Essa epifania já ocorre logo no primeiro volume e dá início a uma série de mudanças que se potencializam quando Sasahara se torna o 3º presidente do Genshiken.

Quando Sasahara aceita a proposta de se tornar presidente vinda de Madarame, ele passa para uma segunda fase de sua vida onde não só vai ganhar mais confiança, mas como também desenvolverá uma força de vontade que nem ele sabia possuir.

No decorrer da série, Sasahara acaba conseguindo um emprego como editor de mangás, fruto de seu empenho na produção do primeiro dojinshi do clube durante sua presidência, e também consegue estabelecer um relacionamento amoroso com Ogiue. Nesse ponto, vale observar que Sasahara já não é mais o mesmo personagem do início do mangá. Autoconfiante, entusiasmado, ativo, responsável, sua relação com a Ogiue é a maior prova disso. Sua maturidade em relação a si mesmo faz com que ele consiga lidar com os problemas dela e entendê-la de uma maneira que só ele conseguiria.

Os capítulos finais, focados no relacionamento entre os dois, são uma das melhores sequências que eu já vi em um mangá. Durante toda a série, Sasahara é o personagem com que o leitor acaba tendo mais intimidade. É através do olhar dele que a história se desenvolve, nos permitindo acompanhar de perto esse desenvolvimento.

Esse é só um dos pontos que fazem Genshiken ser uma das minhas séries favoritas e uma das minhas maiores influencias na maneira como penso a respeito do meu hobby. A relação de seus personagens com nós, otakus da realidade, é inevitável e isso só torna a história ainda mais interessante.

Não deixem de comentar e até o próximo post!

Sobre Diogo Prado

Tradutor, professor, host do Anikencast, apaixonado por quadrinhos, apreciador de jogos eletrônicos e precoce entendedor de animação japonesa.

Você pode me achar no twitter em @didcart.

Depois do post inicial sobre Genshiken, achei que seria legal […]