Cinco recomendações de mangás publicados em 2016

E o ano está chegando ao fim! Um 2016 marcado por excelentes lançamentos e um ano em que acabei lendo bem mais mangás do que esperava. Compartilho agora com vocês os meus preferidos de 2016 e espero receber também suas recomendações do que deixei passar.

Assim como fiz ano passado gostaria de deixar claro que essa lista é totalmente pessoal! São os melhores mangás que comprei durante o ano e só contempla o que foi lançado no Brasil em 2016.

Menções honrosas: Ajin, Arakawa Under the Brigde e Noragami.

mangás The Wedding Eve
The Wedding Eve

Volume único
R$ 15,90
Comprar AQUI

Josei com 6 histórias curtas publicado pela editora Panini no meio do ano. A autora Hozumi soube trabalhar esse mangá de maneira belíssima, é difícil não parar para repensar um pouco a vida depois de ler essas histórias. São realidades totalmente diferentes e envolventes, você vai de uma história mais bem-humorada, para uma totalmente melancólica e mesmo assim vai conseguir achar conexões entre as mensagens que elas passam.

O traço dos desenhos são mais realistas e as histórias trabalham com temas comuns a todos nós. Isso faz de The Wedding Eve uma ótima recomendação para aquele seu amigo(a) que não é tão fã de mangás.


Blame

10 volumes
R$ 23,90
Comprar AQUI

Viciante, só isso que tenho para falar sobre Blame. Você lê o primeiro volume e fica doido para devorar os seguintes de tão intrigante que é o universo criado pelo Tsutomu Nihei. Nesse trabalho ele conseguiu chegar ao equilíbrio certo do quanto ele precisa detalhar sobre a história e do quanto os leitores podem especular com a própria imaginação.

É uma narrativa com DNA Cyberpunk bem latente, daquelas que o protagonista está sozinho em um mundo todo destruído e vai enfrentando várias aberrações que vão surgindo em sua frente. A única coisa que pode incomodar algumas pessoas é o traço ainda pouco refinado do autor na época em que a história foi lançada, mas pra mim isso deu até um charme a mais.


Helter Skelter

Volume único
R$ 24,90
Comprar AQUI

Obra da cultuada autora Kyoko Okazaki que conta de maneira pouco convencional a história da modelo Ririko em sua busca por aceitação social e pelo corpo perfeito. É um mangá que não deve agradar a todos, principalmente pela arte da autora que é estranha a primeira vista, mas se você conseguir superar essa barreira vai se deparar com uma história muito real onde as situações são tratadas sem floreios e frescuras.


The Ghost in the Shell

Volume único
R$ 64,90
Comprar AQUI

O autor Masamune Shirow aproveitou a onda da década de 80, de misturar ficção científica com temas filosóficos, para criar uma história cheia de ação e questionamentos sobre o que diferencia uma inteligência artificial de um ser vivo.

Mesmo a narrativa do mangá não apresentando o mesmo impacto que a versão animada do Mamoru Oshii teve anos depois, considero esse mangá leitura obrigatória para todos que gostam de um bom sci-fi. Destaque também para a edição da editora JBC que está sensacional, o formato maior e o papel lux cream valorizaram bastante os desenhos do mangaká.


Nijigahara Holograph

Volume único
R$ 24,90
Comprar AQUI

A história de Nijigahara Holograph mostra de maneira anacrônica os problemas pessoais de um grupo de jovens em uma pequena cidade do Japão. O curioso aqui é como o leitor precisa se esforçar para compreender a verdade por trás do que é apresentado, a narrativa que o autor propõe incentiva a coleta de fragmentos dos acontecimentos, caso deseje entender a ordem dos fatos.

Pode ter certeza que você vai ler e reler algumas vezes essa história e a cada nova leitura ampliará sua interpretação sobre o que está acontecendo. O Inio Asano conseguiu com esse mangá criar uma obra que é inicialmente confusa e ao mesmo tempo muito imersiva. Até agora ainda me pego pensando na história e tentando encaixar alguns acontecimentos desse quebra-cabeça.

Qual foi o melhor mangá de 2016 para você? Algum bateu com a minha lista? Deixe comentário com a suas preferências.

 

Sobre Wagner

Wagner é o manda chuva do Troca Equivalente. Formando em algo sem relação alguma com o universo dos animes e mangás, está sempre por aqui dando seus pitacos. Pelo nome do blog já dá para imaginar qual é o seu mangá/anime favorito.

E o ano está chegando ao fim! Um 2016 marcado […]

  • TDA

    Concordo com todas as recomendações, mas faltou Vagabond. Esse mangá é bom demais, a arte do Inoue é belíssima e o enredo é ótimo.

    O que mais me surpreendeu positivamente foi o Blame!, tanto o enredo como a qualidade da edição nacional. Um verdadeiro mangá japonês nacional. Sobrecapa, papel bom e sem transparência, ótima encadernação…

    Helter Skelter e GiTS eu não li, ainda…

    Já o Nijigahara Holograph, me decepcionou. O enredo é ótimo, confuso, mas ele te prende até o final. Foi um mangá que eu li de uma vez só, começo ao fim (e não costumo muito fazer isso). O problema foi a qualidade do papel da JBC, diga-se, transparente, em vários momentos chega a incomodar. Uma arte tão boa como a do Asano não merecia isso e o preço é mais alto do que o Blame!. Juro que morro e não entendo isso.

    • trocaequivalent

      Oi! Então Vagabond não entrou pq considerei ele um relançamento e evitei de colocar mangás já mais conhecidos do público devido a já terem sido publicados outras vezes (e Vagabond está em sua terceira publicação). Mas realmente poderia entrar nessa lista facilmente.

      Nijigahara realmente poderia ter ficado com uma qualidade melhor, não achei tão transparente assim, mas preferia ele em uma qualidade mais de luxo principalmente levando em conta o preço.

    • Cxc

      não to justificando o preço, mas a média de blame é de umas 200 páginas por volume
      nijigahara foram 290

      • trocaequivalent

        É são mangás com número de páginas diferentes, pra custar igual a qualidade não poderia ser a mesma.

  • Victor H

    boa a lista mas colocaria Ajin e FMA nela gosto bastante dos dois

    • trocaequivalent

      Oi Victor, adorei Ajin também, ele quase entrou na lista. FMA amo de paixão, só não entrou pq vetei de colocar relançamentos. foquei só em coisas ainda inéditas no mercado nacional.